Que Auschwitz não se repita

13 de Setembro de 2017 às 12:30

Extrema direita perde o pudor e vai para as ruas contra negros, imigrantes, gays e judeus

O mundo assistiu pasmo à parada “covarde de ódio, fanatismo, racismo e intolerância”, promovida por membros da Ku Klux Klan e outros grupos de extrema direita no dia 11 de agosto, em Charlottesville, no Estado americano da Virgínia. Desde então estamos convencidos de que, por mais absurdo que pareça, o neonazismo parece estar ressurgindo.

Em artigo publicado no Valor Econômico, o doutor em ciência política pela USP, Fernando Abrucio, destaca que o episódio de ódio racial nos Estados Unidos, comandado pelos chamados supremacistas brancos, nos fez lembrar o quanto a história pode retornar aos seus piores momentos. “Supremacismo branco é um termo que traduz com perfeição a ideia contida no “Minha Luta”, de Adolf Hitler: existe uma raça superior e ela deve se sobrepor às demais, custe o que custar. Por isso, nem precisa procurar suásticas, pois a filosofia de extrema direita dos supremacistas é intrinsecamente nazista”.
Veja abaixo postagem no Facebook do diretor do Sindieletro, Jobert Fernando de Paula sobre este assunto seríssimo. O dirigente se baseou na cobertura de um jornal, mas retrata bem a irresponsabilidade do conjunto da imprensa brasileira.

Tolerância com a intolerância?

“Segundo Carlos Viana, apresentador da TV Record e da rádio Itatiaia, os racistas e neonazistas norte-americanos têm o direito de se manifestar. Segundo Viana, eles fazem isso há séculos...

Ele ainda disse que esses racistas são os antigos defensores da escravidão e que fizeram até uma guerra civil para que a escravidão continuasse nos Estados Unidos. Eles se achavam no direito de escravizar e assassinar seres humanos e reivindicam esse direito até hoje.

Para Carlos Viana, o problema que aconteceu em Charlotesville foi por que uma marcha de pessoas negras, descendentes de ex-escravos, marcou o mesmo local de encontro que os escravagistas, e aí, o pau cantou. Para Carlos Viana o direito de se manifestar deveria ter sido respeitado e cada grupo deveria ter voltado pra sua casa numa boa depois da marcha.

Carlos Viana é sempre moderado quando os problemas de qualquer ordem partem da elite. Está aí sempre aliviando para a esculhambação e a ladroagem do governo golpista de Temer e seus tucanos. Carlos Viana nega que houve golpe no Brasil.

Carlos Viana defende a reforma da Previdência e a reforma trabalhista, acha que programa social é populismo de esquerda e pensa que os problemas da Petrobras se resolvem privatizando a empresa. Carlos Viana é um privatista obsessivo.”

Jobert de Paula (foto)

Rua Mucuri, 271 , Bairro Floresta, Belo Horizonte MG, CEP: 30.150.190
31 3238-5000