PDV aumentará precarização na Cemig

05 de Abril de 2017 às 10:00

Na semana passada, a direção da Cemig anunciou a implantação de mais um agressivo Programa de Desligamento Voluntário Programado (PDVP). O Plano não veio para “oxigenar a casa” e nem para dar mais oportunidades a novos empregados ou promover a seleção interna para os eletricitários que continuarão na empresa.

Reiteramos, aqui, o posicionamento contrário do Sindieletro aos objetivos predatórios ao PDVP que está aberto. Não porque achamos que não devam ocorrer programas de desligamento, mas porque a opção de demitir sem qualquer previsão de realização de concurso público é um ataque direto ao futuro da Cemig.

Para entender melhor o que se passa na Cemig, relembremos 2015, quando Pimentel assumiu o governo do Estado. Na época, ele prometeu mundos e fundos para os eletricitários(as) de Minas, que lutam há décadas por valorização profissional, melhorias nas condições de trabalho e do serviço prestado, além da Primarização, tendo a realização de Concurso Público como alternativa à nefasta terceirização. Mas a empresa não cumpriu a promessa do governador de contratar, via concurso público, 1.500 eletricistas.

A Cemig também não cumpriu o acordo assinado no ano passado, que prevê a contratação de 400 eletricitários e nem publicou o edital do concurso prometido no dia 23 de novembro de 2016, na reunião com o governador Pimentel.

Na época, a diretoria da empresa prometeu a publicação do edital em uma semana. Passados mais de 120 dias, nada foi publicado. Ano passado foram fechados mais de 800 postos de trabalho, e esse número pode ser ainda maior em 2017. Como se vê, o PDVP vem apenas para precarizar e terceirizar mais.

Não aceitaremos assédio

O próprio modelo do PDVP em vigência é uma prova da política de precarização. Com previsão de durar mais de seis meses, o programa é um convite quase que formal à pressão, ao assédio e à coerção de trabalhadores para que abandonem a Cemig. A saída de tantos eletricitários põe em risco o conhecido domínio técnico que os trabalhadores (as) “da Casa” construíram ao longo de décadas, além de afetar a viabilidade financeira da Forluz e, principalmente, da Cemig Saúde.

Coincidência ou não, no exato momento em que Michel Temer, o “ilegítimo”, e seus comensais, empurram goela abaixo do povo brasileiro um projeto terceirização livre e irrestrito concebido há duas décadas, a empresa decide privilegiar as demissões e jogar por terra a possibilidade de valorizar a força de trabalho do quadro próprio da Cemig.
Tudo isso num momento em que a empresa tem dificuldade em cumprir as metas do DEC, um dos indicadores da qualidade dos serviços. Desde 2014, o DEC da Cemig Distribuição está piorando e, em 2016, ficou bem na beirada da meta estabelecida pela Aneel.

Rua Mucuri, 271 , Bairro Floresta, Belo Horizonte MG, CEP: 30.150.190
31 3238-5000