História


CondutoresO começo da organização dos eletricitários

A união dos eletricitários começou bem antes da sua organização em uma entidade representativa. Em 1946, os trabalhadores da Força e Luz - empresa de capital inglês e canadense que fornecia energia aos bondes de Belo Horizonte, Santa Bárbara e Itabirito - realizavam as primeiras reuniões para a criação da Associação Profissional dos Trabalhadores na Indústria de Energia Elétrica de Minas Gerais.

Em 25 de julho de 1951, a entidade foi fundada, no mesmo ano em que o governador Juscelino Kubitschek anunciava a construção da Cemig.

Em 1952 a empresa era inaugurada por JK e a Associação dos Trabalhadores na Indústria de Energia Elétrica se tornou, de fato, o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Energia HidroElétrica de Belo Horizonte, Santa Bárbara e Itabirito, com a eleição da sua primeira diretoria e do seu primeiro presidente, Geraldo Cardoso Soares.

Anos 50:  Indignação e revolta com as más condições de trabalho 

Na década de 1950 a organização dos trabalhadores ganhou muita força devido à indignação e revolta com as más condições de trabalho, pressões, retaliações e baixos salários na Força e Luz e Cemig. O trabalhador de escritório tinha que mendigar do chefe um lápis, uma caneta e um papel carbono e qualquer reclamação resultava em demissão. Já os eletricistas amargavam situação pior, porque sempre estiveram expostos aos riscos de acidentes graves e fatais na rede elétrica.

As condições de trabalho nesta época eram parecidas com as condições dos trabalhadores terceirizados de hoje: não havia treinamento, os salários eram baixíssimos, não se pagava horas extras e muito menos adicional noturno. A ocorrência de acidentes era um fato rotineiro, assim como também era comum Belo Horizonte e cidades próximas ficarem sem energia por mais de 48 horas.

O primeiro jornal do sindicato foi o Kilowatt, lançado em 1956 e publicado até o golpe militar de 1964. Já nas primeiras edições relatos de trabalhadores apontavam que eles eram escravos da Força e Luz e Cemig, tamanho o grau de exploração. Mas são também os jornais que registram as lutas da época e conquistas históricas da categoria. Com inflação sempre galopante e salários defasados, as principais mobilizações eram por reajustes salariais.

Outra grande mobilização da década de 1950 foi por uma Previdência Social mais eficiente. Na época a Previdência abarcava, além dos benefícios de aposentadoria e pensão, serviços de empréstimos para habitação de casas populares e serviços médicos, com gestão individual por grupos de categorias de trabalhadores. Já nesta época, as discussões do sindicato envolviam o plano de carreiras, com o encaminhamento de reivindicação à Cemig para a criação de quadro de carreiras nas empresas. Havia também um incipiente trabalho de formação; o sindicato garantia, gratuitamente, cursos de cultura operária para os trabalhadores, com aulas de português, aritmética e geografia econômica.

 

Anos 60: Intervenção, prisões e torturas 

repressãoDo início da década de 1960 até o golpe militar, em 1964, o movimento sindical viveu um momento de efervescência em suas lutas e organização. Em Minas Gerais havia uma organização sindical razoável em torno da CGT (Comando Geral dos Trabalhadores), com a vice-presidência ocupada pelo então presidente do Sindieletro, Delmyr Villela, que realizou nesta época três congressos sindicais que definiram como diretrizes políticas mobilizações pela reforma agrária, em defesa da liberdade e autonomia sindicais, pela nacionalização dos bancos e combate à carestia. No sindicato, as mudanças se traduziam também pela nova conduta política, que incluía a discussão previa de toda a pauta das assembléias antes das decisões e a elaboração de estratégias para as negociações com a Cemig.

Com esta postura combativa, o Sindieletro foi alvo fácil do golpe de 1964. O regime militar fez intervenção no sindicato e o presidente Delmyr Vilela teve de se esconder para não ser preso. A diretoria foi destituída e em seu lugar foi nomeada uma Junta Governativa Provisória. Ninguém pôde protestar, sob ameaça de prisão e tortura. Em Minas, 350 sindicatos, 22 federações de trabalhadores e seis confederações tiveram suas diretorias destituídas e substituídas por interventores. Muitos dirigentes sindicais foram presos, outros exilados e alguns que desapareceram sem deixar vestígio.

De acordo com um dos livros de ata do sindicato da época, houve uma assembléia em 23 de março de 1964 e somente em 23 de março de 1966, dois anos depois, há novo registro de atividades sindicais, mesmo assim, ainda sob o olhar atento da ditadura. De fato positivo, destaca-se o início da construção da sede do Sindieletro, na rua Mucuri, 271, bairro Floresta, cujas obras terminaram e foram inauguradas em 26 de junho de 1971. Além disso, pela primeira vez, uma mulher ocupou a diretoria do sindicato, Maria Felícia Macedo, que cumpriu mandatos no período de 1967 a 1982, chegando, nos anos 1970, a ocupar a presidência do sindicato.

 

Anos 70: O movimento sindical sai do marasmo 

poderO marasmo que tomou conta da categoria até 1970, em função das intensas perseguições políticas do regime autoritário, foi espantado. A década de 70 foi marcada pela ousadia e coragem dos dirigentes sindicais de criticarem a ditadura e exigirem a volta da democracia. As mobilizações dos trabalhadores em todo o país se fortaleceram quando os metalúrgicos do ABC, liderados por Luiz Inácio Lula da Silva, então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, realizaram as greves históricas nos anos de 1978 e 1979. O movimento, além de incentivar outras greves Brasil a fora, foi um embrião para o nascimento da Central Única dos trabalhadores (CUT) na década seguinte.

Em 1973, a Força e Luz e seu quadro de pessoal são transferidos para a Cemig. A transferência não é pacífica, visto que a empresa promoveu demissões em massa. O sindicato denunciou publicamente as demissões, já demonstrando que o autoritarismo, perseguições, prisões e torturas não impediam a reação do movimento sindical e nem a inauguração da nova fase de reestruturação rumo a um sindicalismo combativo.

Uma das maiores lutas da categoria foi pela volta do pagamento da Maria Rosa. Sem se intimidar, os trabalhadores protestaram e exigiram uma posição do sindicato. A diretoria estampa em primeira página do O Hidroelétrico um artigo assinado por Maria Felícia com críticas contundentes contra a atitude da empresa. Maria Felícia acusa a Cemig de exploração, de não pagar um direito adquirido enquanto “vendia a sede da Itambé e alugava uma grandiosa sede na avenida Barbacena e ainda construía as usinas de Jaguará, Volta Grande e São Simão”, questionava. Com intervenção da Justiça do Trabalho, a Cemig regularizou o pagamento da gratificação.

São corriqueiras as matérias que defendem o livre funcionamento e autonomia dos sindicatos, já um sinal de resistência à intervenção do regime autoritário. Oportunamente, o sindicato reivindica o retorno da Lei de Greve. Já nesta época os altos índices de acidentes na Cemig são questionados e denunciados como de responsabilidade da empresa. Os acidentes acontecem, argumenta o sindicato, principalmente porque as equipes de eletricistas estão atuando incompletas, a empresa paga baixos salários, há pressões das chefias e falta treinamento para os trabalhadores. O sindicato lança em 1978 a campanha pelo adicional de periculosidade de 30%, que só veio a ser conquistado nos anos 1990, mesmo assim em função das ações movidas na Justiça pela gestão cutista do Sindieletro.

 

Anos 80: Democracia, início da gestão cutista e 1ª Greve 

filiaO anos de 1980 foram de reestruturação do movimento sindical rumo às lutas mais combativas e isso se consolidou com o nascimento da CUT, em 1983, e a volta da democracia com o movimento das Diretas-Já e por uma nova constituinte e após 25 anos de ditadura. Nosso sindicato passou a ser chamado de Sindieletro em meados da década de 1980 e com o novo nome vieram os novos desafios, principalmente com a grande vitória da eleição da oposição eletricitária Energia na Luta, que agregou novas lideranças e adotou melhores estratégias de mobilização.

A gestão Vivaldo de Souza (1982/1987) não deixou de ser um marco para a reestruturação do sindicato, mas é a chapa de oposição vitoriosa que, já como diretoria cutista, realiza as maiores e mais significativas mudanças, coordenando, inclusive, a primeira greve da categoria, em outubro de 1987, pela implantação do PCC. Com muita disposição de luta, a diretoria do Sindieletro ainda realiza a segunda greve em novembro, na Campanha Salarial, com adesão de 90% da categoria.

Em janeiro de 1989 o Sindieletro se filiou à CUT, após debates intensos e aprovação dos trabalhadores. Maurílio Chaves, na época integrante da chapa de oposição e ainda diretor do Sindieletro, aponta que a mudança na direção do sindicato com a CUT veio em conseqüência do novo movimento sindical com a explosão de greves puxadas no ABC paulista. “Muitos dos diretores que assumiram a chapa cutista vieram do movimento estudantil. Foi só um passo para a CUT se consolidar em milhares de sindicatos”, destaca. Ainda de acordo com Maurílio, ao assumir o Sindieletro, a nova diretoria conseguiu implantar um programa para que os trabalhadores reassumissem o seu papel de ator de sua própria história no movimento sindical. “Não mais um papel submisso, mas o de tomada de decisões fundamentais para a defesa dos interesses da categoria e da sociedade como um todo”.

  

Algumas conquistas da década

• Anuênio
• Pagamento do sobreaviso
• Equiparação salarial dos eletricistas da capital e interior
• Creches para filhos/as de até seis anos das eletricitárias
• Tíquete-refeição
• Garantia de emprego por um ano
• Participação de quatro representantes dos trabalhadores no Conselho Deliberativo da Forluz
• Implantação de comissões sindicais de base nos locais de trabalho
• Garantia de 13 delegados sindicais no interior
• Organização das mulheres eletricitárias com a criação de uma comissão feminina do Sindieletro

 

Anos 90: Novas estratégias para enfrentar o neoliberalismo

unificaA década de 90 começa com mudanças radicais na política, na economia e nas relações de trabalho, exigindo novas estratégias de mobilização dos trabalhadores em todo o mundo. No Brasil, os caras pintadas vão para as ruas pedir o impeachment de Collor, que acaba sendo retirado da Presidência da República. Contudo, os anos que se seguem são de reformas neoliberais que refletem a nova ordem mundial de globalização, privatização, desemprego em massa e a retirada de direitos históricos dos trabalhadores.

O Sindieletro não se curva às “desordens” da nova ordem mundial, pelo contrário, ganha força e evoluí para práticas que vão além das relações de trabalho. Em 1991, o Congresso dos Eletricitários define como prioridades lutas a unificação, a defesa da empresa pública, de melhores condições saúde e segurança, gestão democrática na Forluz, contra as demissões de dirigentes sindicais e a contratação de “apadrinhados” na Cemig. O I Encontro Nacional dos Eletricitários (Enel) reforçou a necessidade das mobilizações contra as privatizações no setor elétrico e todas as novas formas de exploração do trabalhador, como os programas de Qualidade Total, Controle de Qualidade e Reengenharia Produtiva.

Enquanto isso, o sindicato se consolida no interior com a implantação das Regionais do Sindieletro, a partir de junho de 1993, e o processo de unificação. Em um primeiro momento, a unificação se faz com a criação da Intersindical, que reúne vários sindicatos que representam trabalhadores da Cemig para as lutas e negociações. Depois, em abril de 1996, é definida a fusão do Sindieletro e o ex-Sindelt (Sindicato dos Eletricitários do Triângulo).

A principal luta dos anos 90 foi contra a privatização da Cemig, uma história que ganhou fôlego em abril de 1997, quando o sindicato entrou com ação popular na Justiça para barrar o leilão de venda dos 33% das ações ordinárias da empresa e conseguiu adiar a negociata. No entanto, a venda se concretiza e garantiu aos sócios estrangeiros a gestão da Cemig. Ao assumirem a diretoria da empresa os sócios promovem imediatamente um PDI com a demissão de milhares de eletricitários. Com base em denúncias do Sindieletro, o Ministério Público moveu uma ação civil pública para barrar o acordo de acionistas.

Também foi no início dos anos 1990 que o sindicato conquistou junto a Forluz o direito de criar uma diretoria para defender os participantes da Fundação, a Diretoria de Relações com os Participantes (DRP). Além disso, pela primeira vez na sua história, o sindicato conquistou o direito de indicar um representante dos trabalhadores para o Conselho de Administração da Cemig.

 

Greve de fome pela PR 

greveMas a década de 90 foi marcada pela luta pela participação nos resultados da Cemig. Em 1995, a categoria fez greve e os dirigentes Celso Amarante, Lúcio Guterres, Maurílio Chaves e Diniz Santana, além do dirigente sindical Pedro Ursino Kretli, entraram em greve de fome por 6 dias. Pedro Ursino Kretli foi obrigado a interromper a greve por recomendação médica. Naquele ano, a Cemig havia obtido R$589 milhões de lucro e a categoria reivindicava a distribuição da PR conforme garante a Constituição, além do pagamento de adicional de 30% periculosidade e implantação do Plano de Cargos e Carreira (PCC). O movimento garantiu a PR e o PCC, mas a periculosidade só foi assegurada alguns anos depois, na Justiça.

 

 

 

Principais lutas e conquistas

• Pagamento de Participação nos Resultados (PR)
• Implantação do Plano de Cargos e Carreiras (PCC)
• Realização do I Encontro Nacional dos Eletricitários (Enel)
• Luta contra a privatização da Cemig
• Campanha contra as terceirizações
• Campanha contra as demissões em massa
• Pagamento da Periculosidade
• Criação da Diretoria de Relações com os Participantes
• Garantia de participação no Conselho de Administração da Cemig